quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

TEXTO 14/2018/CIRANDA/TRISTEZA


Tristeza é um profundo sentimento
que dói, isola, enfraquece.
Não devemos deixá-lo permanecer
por muito tempo em nosso coração.

Muitos confundem tristeza com depressão
São sentimentos diferentes,
pois depressão é doença.
Tristeza não deve fazer morada eterna.

Isabel C S Vargas

MEU TEXTO EM DATA VENIA...E TENHO DITO/CBJE

 Isabel Cristina Silva Vargas
Pelotas / RS


Uma questão de respeito

          
Mirela é  uma jovem bonita,simpática  e com uma profissão. É manicure. Estudou até  o final do ensino médio e tinha como plano iniciar a faculdade este ano.
Filha de pais separados.Ele mora em outra cidade com a outra esposa e uma filha já moça.
A mãe  mora na cidade de Mirela junto a outra irmã casada.
Com dezessete anos engravidou mas o relacionamento não  durou. Morou uns anos com os avós enquanto o filho era pequeno.
Quando começou a trabalhar colocou o filho João  na creche, alugou um apartamento que aos poucos foi mobiliando e tendo uma vida organizada.
Fez cursos em sua área e era muito bem  relacionada.
Quando  João estava com seus dez anos bem vividos, em boa escola,boas notas,amigos,fazendo futebol fora do horário escolar ,sua mãe  arrumou um namorado em uma festa.
Namoraram cerca de uns dois anos, apesar de ele ter uma índole meio agressiva e ter problemas familiares que irromperam bem na época que estavam se relacionando. Associado a isso também  diríamos que Mirela não confiava na total fidelidade dele.
Por isso, brigaram.
Não  tinha se passado trinta dias do rompimento e a jovem descobriu que estava grávida.
Foi um susto e uma confusão.Ele  ate' questionou se o filho era dele o que,sem dúvida,  a feriu. Mantiveram-se separados até perto  do bebê  nascer quando ele a convenceu a desalugar o apartamento,deixar o trabalho e vir morar com ele distante do centro, do local onde ela morava e da escola do filho dela.
Aí,  sem casa dela, sem dinheiro, ele voltou a ser agressivo, inclusive exigindo que João mudasse de escola, fosse de ônibus,    sozinho alegando não ter obrigações com o menino e mais do que isso, usando de violência psicológica com ele e com ela.
Antes do bebê  nascer ela saiu da casa dele levando João,  suas roupas e foi morar com a avó  tal como havia feito quando teve o primeiro filho.
A crianca nasceu,ele a registrou,mas eles continuam separados.
Ela aguarda a menininha crescer mais um pouco para recomeçar tudo de novo
só  ela e os dois filhos.
Não  duvido que ela irá  conseguir.



MEU TEXTO EM VERSOS NOSSOS QUE VENCEM SEVERINAS/CBJE

 Isabel Cristina Silva Vargas
Pelotas / RS


Quebrando tabus

Quando pequena, sem autonomia
Tudo era determinado pela mãe e pai.
Assim, vaidades eram proibidas.
Cabelos curtinhos, mais higiênico,
Franja  cortada para não atrapalhar  tarefas,
Criança não pinta unha,
Adolescente não  use salto.
Namorados não  saem sozinhos,
Moça  de família tem que obedecer as normas.
Mulher  casada usa cabelo curto.
Conjunto de regras de uma época do século  passado.
Não  digo minha época,
Pois minha época também é agora
Que tenho parelha de seis como idade,
nunca mais usei o cabelo curto desde os dezesseis.
Trabalhei para me sustentar  desde os dezessete,
Eduquei quatro filhos ensinando as mulheres a
Não  dependerem do marido,
Todas têm dois cursos superiores,
E se não me submeti às regras ditadas outrora,
não o faço também  agora.
Viúva, cabelo na cintura,
não  quero morar com ninguém,
não faço mais comida,
não tenho hora de dormir,
muito menos  de acordar .
Tenho orgulho de minha trajetória
Pessoal e profissional.
Exercito, diariamente, a gratidão ,
Mesmo com as perdas que tive.
Aceitação,  tolerância, amor
São  essenciais para viver  em paz.

MEU TEXTO EM ANTOLOGIA DE POETAS CONTEMPORÂNEOS 158 /CBJE

 Isabel Cristina Silva Vargas
Pelotas / RS

Vaidade

Pensava-se que era característica,
Quiçá  atributo de adolescentes, jovens,
Adultos,executivas,todos em atividade
em construção de identidade e de vida.
Idosos? Alguém alheio  a essas futilidades,
Diriam muitos em outras épocas.
Em meu conceito, pensamento ultrapassado,
Preconceituoso, machista e excludente..
Gostar de si mesmo não tem idade.
Vaidade eleva a autoestima,
Valoriza, empodera, gera inserção,
Inclusão e pertencimento.
Hoje mulheres e homens cultivam vaidade,
Independente de idade.
São mais felizes, mais longevos.


TEXTO 13/2018/ACRÓSTICO/ MIGUEL DE CERVANTES

TEXTO 12/2018/ UMA QUESTÃO DE RESPEITO/CONTO

Uma questão de respeito

  •           
    Mirela é  uma jovem bonita,simpática  e com uma profissão. É manicure. Estudou até  o final do ensino médio e tinha como plano iniciar a faculdade este ano.
    Filha de pais separados.Ele mora em outra cidade com a outra esposa e uma filha já moça.
    A mãe  mora na cidade de Mirela junto a outra irmã casada.
    Com dezessete anos engravidou mas o relacionamento não  durou. Morou uns anos com os avós enquanto o filho era pequeno.
    Quando começou a trabalhar colocou o filho João  na creche, alugou um apartamento que aos poucos foi mobiliando e tendo uma vida organizada.
    Fez cursos em sua área e era muito bem  relacionada.
    Quando  João estava com seus dez anos bem vividos, em boa escola,boas notas,amigos,fazendo futebol fora do horário escolar ,sua mãe  arrumou um namorado em uma festa.
    Namoraram cerca de uns dois anos, apesar de ele ter uma índole meio agressiva e ter problemas familiares que irromperam bem na época que estavam se relacionando. Associado a isso também  diríamos que Mirela não confiava na total fidelidade dele.
    Por isso, brigaram.
    Não  tinha se passado trinta dias do rompimento e a jovem descobriu que estava grávida.
    Foi um susto e uma confusão.Ele  ate' questionou se o filho era dele o que,sem dúvida,  a feriu. Mantiveram-se separados até perto  do bebê  nascer quando ele a convenceu a desalugar o apartamento,deixar o trabalho e vir morar com ele distante do centro, do local onde ela morava e da escola do filho dela.
    Aí,  sem casa dela, sem dinheiro, ele voltou a ser agressivo, inclusive exigindo que João mudasse de escola, fosse de ônibus,    sozinho alegando não ter obrigações com o menino e mais do que isso, usando de violência psicológica com ele e com ela.
    Antes do bebê  nascer ela saiu da casa dele levando João,  suas roupas e foi morar com a avó  tal como havia feito quando teve o primeiro filho.
    A crianca nasceu,ele a registrou,mas eles continuam separados.
    Ela aguarda a menininha crescer mais um pouco para recomeçar tudo de novo
    só  ela e os dois filhos.
    Não  duvido que ela irá  conseguir.

PUBLICAÇÃO DIÁRIO DA MANHÃ 05/2018 /INTOLERÂNCIA

INTOLERÂNCIA

Intolerância não é rebeldia.
O infante pode ser rebelde
enquanto não educado. 
Aos pais cabe a tarefa.
Intolerância exige mente degenerada
centrada no próprio ego.
A intolerância era menos divulgada
antes do advento das redes sociais.
Hoje é intensa, expandida, de conhecimento
automático, momentâneo e gera revolta.
A intolerância aturde,seja em função religiosa,
política, racial, de gênero,social e econômica.
É necessário combatê-la em todas as instâncias.
A intolerância é fruto de mentes tacanhas.
Gera consequências impossíveis de esquecer.

Isabel C S Vargas

Publicação Diário da Manhã/Pelotas/RS
Data:2018.02.12/Segunda-Feira-Página 15